Dia do Autismo

fundoFloralrNGazNG

Hoje é o dia do Autismo, TEA. Já escureceu e eu ainda não consegui colocar meus sentimentos nesta postagem, pois ainda tem muito emoção misturada.

Quando meu filho nasceu, eu estava chegando em Paris (em referência a um vídeo circulando na internet que fala que no autismo, os pais compram uma viagem para Paris e chegam na África).

Bom, eu cheguei em Paris, eu achava meu filho lindo, as amigas falavam do quanto ele era “perfeitinho”. A vida em Paris era maravilhosa, amigos conosco em Paris, e também familiares.

De repente fomos abduzidos e quando nos demos conta, estávamos na Antártida, parecia que um tornado havia nos raptado e deixado neste continente gelado. Em poucas horas, meu filho desapareceu, para nunca mais voltar. Neste momento lutávamos pela vida dele, que parecia sumir por entre meus dedos.

Após o risco de morte ser afastado, já em início de recuperação, um famoso neurologista sentenciou: “nunca vai falar, nem ler, nem escrever “.

Acabou. Familiares não o queriam por perto, avós falavam que estavam muito ocupadas, tios desapareceram, e aos poucos os amigos também…

Eu o levava a várias terapias, mas os progressos não vinham…

Até que depois de 6 anos e meio morando na Antártida, resolvi eu mesma colocar mãos a obra e estimular meu filho. Foi a melhor coisa que fiz na vida, agora eu e ele dormíamos  exaustos pelas atividades realizadas, o que era muito melhor do que passar as noites em claro com ele agitado sem dormir e eu sem saber o que seria do futuro dele. Dou graças à Deus todos os dias, por esta minha escolha, e pelas gigantescas pequenas vitórias que vieram de nosso esforço!

Tivemos vários progressos, talvez tenhamos alcançado a Patagônia, mas os avós e tios já partiram… A vida na Antártida e na Patagônia ainda é muito solitária. Eu gostaria muito que em 1995 já existisse este dia de conscientização. Talvez fosse mais fácil para os familiares, amigos e para nós.

Ele tem 23 anos hoje (2019), terminou o fundamental, navega muito bem na internet no computador, lê, digita buscas, ajuda em casa, com as compras, arruma a despensa, mas é muito menos do que sonhei para ele. As crises praticamente acabaram, assim como seletividade alimentar e noites em claro ficaram no passado. Frequentamos todos os lugares públicos com ele, desde praças, clube, cinema, shopping, corrida de rua, etc…

Fazemos o programa de organização neurológica há 17 anos, dieta há 3 anos e meio, iniciando o detox homeopático, e retomando o tratamento com óleos essenciais.

Eu amo muito meu filho, como ele é carinhoso, amoroso, compreensivo, solícito, colaborativo, cuidadoso, não existem adjetivos suficientes para expressar o amor, carinho e a admiração que tenho por ele assim como amo meu filho típico.

Mas a vida na Patagônia é como na Antártida, fria e agreste, me perdoem, mas ainda não consigo comemorar este dia.

Gostou de meu desabafo? Me mande um email, mesmo que não tenha gostado ou comente abaixo.

 

 

Anúncios

O desenvolvimento neurológico

Foto por Negative Space em Pexels.com

No passado acreditava-se que o desenvolvimento cerebral era predestinado e inalterável, determinado pela genética. Pais inteligentes teriam filhos inteligentes, mesmo que estes filhos fossem adotados. Assim se descobriu a importância do ambiente para estimulação do desenvolvimento da criança. 

Felizmente hoje já está documentado a existência da formação de novas conexões no cérebro formadas a partir de estimulação. Isso se chama neuroplasticidade e que este desenvolvimento de novas conexões é estimulado pelo ambiente em que a criança vive.

O Perfil de desenvolvimento humano detalha a etapas para o desenvolvimento neurológico humano, sensorial e motor, e define estágios em relação às áreas do cérebro que estão sendo desenvolvidas em cada etapa.

A evolução destes estágios em relação ao tempo é variável e dependente, de cada criança, como também não só de fatores genéticos, mas sim da freqüência, intensidade e duração dos estímulos enviados ao cérebro pelo meio ambiente da criança. No programa de desenvolvimento neurológico é vital a participação da família, para fazer acontecer o que ainda não está acontecendo no cérebro destas crianças. 

Nas pesquisas dos Institutos, verificou-se que todos os recém nascidos percorriam o mesmo caminho para o desenvolvimento humano.
Pesquisadores então olharam para crianças com desenvolvimento atípico e com o cérebro comprometido e perceberam que todas as crianças iam até um ponto do desenvolvimento normal e paravam, outras regrediam ou não conseguiam atingir este desenvolvimento, nem ultrapassar determinados pontos.

Concluíram que para haver um desenvolvimento normal era necessário o desenvolvimento de seis funções básicas: três motoras (mobilidade, linguagem e capacidade manual) e três sensoriais (capacidade visual, auditiva e tátil). Estas são funções cerebrais e passam por sete níveis de desenvolvimento distintos.
A partir da observação da escala de evolução das espécies em cada função, foi possível ver que cada animal possui uma determinada estrutura cerebral que lhes permite desempenhar essas funções até um determinado nível. Conforme os animais cresciam na escala de evolução, cresciam, também, as funções humanas até o ponto onde se diferem as funções puramente humanas: as funções corticais (início cognição).

Avaliando todas as funções cerebrais em seus diferentes níveis, comparado com as faixas etárias onde se encontram, obtém-se o nível do desenvolvimento humano (idade neurológica) de cada uma destas funções. 

É aí que os estímulos são direcionados. Verificar em cada criança onde houve a interrupção do desenvolvimento e oferecer os estímulos específicos para que este desenvolvimento possa ocorrer, alcançando cada um destes estágios do desenvolvimento humano.
Como uma área estimulada ajuda o desenvolvimento das outras áreas, os estímulos do programa são feitos nas 5 áreas sensoriais, além de estímulos motores, vestibulares e cognitivos.