Explicando o autismo para os pais gamers

gamerLogo

É  isso mesmo que você leu no título deste post. Por favor, não é nenhum preconceito contra mães (sou uma delas), mesmo porque elas se tornam rapidamente experts neste assunto. A maioria provavelmente já sabe o que vai ser dito aqui.

Explicar o autismo para os pais, é um pouco diferente de explicar para as mães, principalmente devido à experiência deles com video-games pode ficar bem mais fácil.

Então pais, pensem na sua experiência jogando em uma feira de games, você experimentou um super lançamento e a experiência foi incrível,  você e aquele super video-game, top! Aqueles com a melhor resolução de tela, com um super joystick, você sente que não vai ter para ninguém, né? Só vai dar você nos jogos online, certo? Você jogou na feira e foi demais, treinou sozinho e foi um sucesso!

Aí imagina que você está pronto para este desafio, marcou com os amigos e entrou online na hora marcada. Só que a sua conexão está menos de 100kbps e você empurra o joystick e nada acontece, os sons da partida chegam distorcidos e você não consegue entender o que os outros jogadores estão falando… Quando seu avatar finalmente consegue andar, ele sai esbarrando nos outros ou você vê que todos foram embora e te deixaram para trás. Seu console é ótimo, e também seu Joystick, mas não sua conexão.

É exatamente isso que acontece com as crianças autistas. A conexão delas com o ambiente externo é diferente, distorcida. Os neurotípicos entendem melhor o meio externo justamente porque suas conexões estão intactas. Já os autistas, portadores de TEA, TDA e TDAH tem suas conexões comprometidas. Só as conexões. Todo o equipamento é ótimo, de última geração. Eles tem SNC, SNP, tudo, como os neurotípicos, mas  mesmo assim as coisas não funcionam aparentemente como deveriam.

Com todo o respeito à nossa avançada medicina, não conheço medicamentos que possam  “arrumar” esta conexão. Os medicamentos que existem fazem o efeito contrário em adultos e seu uso em crianças não foi estudado o suficiente para dar segurança de uso, pelo menos para mim. O que acontece se dermos estas medicações aos neurotípicos? Eles ficam melhor? Então como achar que os que estão no espectro vão melhorar?

Alguns programas detox, que mostram bons resultados, começam retirando, desmamando o autista deste tipo de medicação, e os resultados geralmente são bons.

Mas os problemas de base, que os levaram à este tipo de tratamento, continuam, porque a causa não foi resolvida, apenas suprimida. Ao tirar as medicações os problemas dos efeitos colaterais das medicações passam, mas não os sintomas de TEA.

Por isso, eu entendo que  os passos de desintoxicar e desinflamar o cérebro são essenciais para toda terapêutica deste tipo de transtorno. Vamos aprofundar este assunto em breve.

Depois disso feito, o programa de organização neurológica, criar novas conexões entre neurônios e circuitos, pode oferecer os seus melhores resultados. São os princípios da Neuroplasticidade para nos ajudar a trazer maior qualidade de vida para os portadores de TEA e seus familiares. Falaremos mais sobre este programa nos próximos posts.

Grata por seu interesse. Se você gostou, por favor, compartilhe para que mais pessoas possam ter acesso às informações que podem fazer diferença na vida de alguém!

Anúncios

4 comentários em “Explicando o autismo para os pais gamers

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s